quinta-feira, 13 de setembro de 2007

DISCIPLINA: JORNALISMO DE REVISTA - NOTURNO

Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa (UnICESP)
Distrito Federal

CURSO: Jornalismo

SEMESTRE/ANO: 02/2007
PROFESSORA:Solange Pereira Pinto


DISCIPLINA: JORNALISMO DE REVISTA - NOTURNO


CONTRIBUIÇÃO PARA OS OBJETIVOS DO CURSO:
A disciplina irá propiciar aos alunos a habilidade e os conhecimentos necessários para produzir e escrever reportagens para revista, além de noções gerais para a edição desse tipo de veículo.


OBJETIVO GERAL:
Expor as especificidades do jornalismo de revista e desenvolver as habilidades necessárias para a produção de reportagens para esse tipo de veículo.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

* Características do jornalismo de revista;
* Identificação das especificidades de reportagem/textos produzidos para revista: contextualização, opinião, humanização;
* História das revistas e do seu desenvolvimento no jornalismo;
* Análise dos diferentes estilos de escrita do jornalismo de revista. Gênero e tipologia;
* Elaboração de um projeto de revista. Briefing.
* Desenvolvimento de pauta e produção de reportagem no estilo de revista;
* Recursos gráficos e informativos de edição;



ARTICULAÇÃO COM AS OUTRAS DISCIPLINAS DO CURSO:

Jornalismo de revista tem como base conhecimentos adquiridos nas disciplinas Redação Jornalística 1, 2 e 3, Comunicação Visual, Editoração Eletrônica e Técnicas de edição, ampliando e aperfeiçoando conceitos e técnicas aprendidos nessas disciplinas.


BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:
Veja listagem ao lado



AVALIAÇÕES:

As avaliações serão individuais e coletivas. No primeiro caso, a avaliação se dará pelas pesquisas, exercício, resenhas, e textos/reportagens produzidos; no
segundo, será avaliado o trabalho produzido em grupo que resultará na apresentação de um seminário e outros exercícios em duplas ou mais. Contará, ainda, como avaliação a parte "formativa" do aluno que compreende comprometimento com a disciplina, interesse, assiduidade, pontualidade etc.



Observações:
* Faltas reprovam. Faltas justificadas não são abonadas, cada aluno tem o direito de faltar até 25% das aulas. Somente atestados médicos, a partir de 15 dias e entregues na instituição, são considerados para "abonar" faltas.
* Trabalhos copiados, de qualquer fonte (ainda que sejam trechos), são considerados nulos (nota zero.
* A participação do aluno em sala de aula é considerada na avaliação.
* É de inteira responsabilidade do aluno acompanhar o conteúdo dado em sala, quando precisar faltar.

4 comentários:

Soll disse...

Todas as postagens deste blog serão salvas em outro documento.

ARI GARCIA disse...

SOBREVIVÊNCIA DOS PEQUENOS JORNAIS DE BRASÍLIA - DF

Entrevista com Ivana Garcia.

Jornalista e Relações Públicas formada pela Faculdade de Comunicação Hélio Alonso do Rio de Janeiro - RJ.

1. Como resgatar leitores para o pequeno jornal?

Por meio de matérias de interesse da comunidade, preferencialmente de utilidade pública social;

por promoções (sorteios);

por distribuição gratúita temporária ou permanente;


2. As matérias dos pequenos jornais tem profundidade?

De modo geral não, no entanto, isto depende da ação da editoria e do compromisso jornalístico do veículo.

3. Você como jornalista considera que o jornal coletivo acrescenta informação?

Apesar de grande parte dos pequenos veículos não investirem em profundidade editorial jornalística e por vezes servirem a interesses políticos ou comerciais locais,qualquer periódico acrescenta informação a sociedade.

4. Esses pequenos tablóides sensacionalistas como os policiais que mostram imagens de muito sangue em suas manchetes, acrescentam informacões necessárias?

Acredito que acrescente, porém, se trata de informação distorcida e mal qualificada, pois a prioridade é a venda do exemplar e não a conscientização do leitor frente a um fato. A informação existe e chega a sociedade, porém é de baixa qualidade e distorce o entendimento do leitor, pode não formar opinião legítima.

ARI GARCIA disse...

PEQUENOS JORNAIS SOBREVIVEM NO DF ?

É possível afirmar que sim, pequenos jornais sobrevivem no DF. Isto porque, o Distrito Federal possui características peculiares. Existem empresários-políticos formadores de opinião e capazes de financiar um pequeno jornal como um empreendimento. Claro, haverá um viés mais de interesse particular do que de isenção editorial-jornalística. No entanto, mesmo sob este aspecto, o veículo presta um serviço válido em termos de informações comunitárias. Pois a comunicação de interesse do financiador deve ser sustentada por informações de interesse público. Se o veículo for bem dirigido tecnicamente, ele se fortalece comercialmente e atrai anunciantes, assim, a responsabilidade editorial-jornalística tende a observar os interesses de informação de seu público-alvo, equilibrando-os com os interesses de seus financiadores.

Há muito o que se investigar quanto a abrangência e impacto social dos pequenos jornais no DF. Mas fica nesta breve matéria, um registro importante frente à validade de um veículo de mídia impressa jornalística. Ainda que seja de pequeno porte e servindo a interesses particulares, sempre haverá necessidade técnica e espaço para se publicar fatos e informações legítimas. Caso isso não ocorra, o veículo perde credibilidade e passa a não servir aos interesses particulares de quem o financia, por tanto, a necessidade de informação da sociedade local, preserva condições de sobrevivência de jornais, ainda que pequenos.

Ari Garcia. Em 20/09/07.
Aluno Jornalismo 7º semestre.
UNICESP - Brasília - DF.

Anônimo disse...

Bastante importante a qualidade da Jornalista como Ivana Garcia, que foi estagiária comigo em Furnas Centrais Eléticas